Após cinco anos, Justiça diz que palestras de Lula não são ilegais

“Deve-se presumir sua licitude”, afirmou a magistrada.

A Justiça Federal no Paraná concluiu, após quase cinco anos de investigações, que as 23 palestras do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a empreiteiras investigadas na Lava-Jato não foram ilegais. A decisão foi da juíza Gabriela Hardt, da Vara de Curitiba. Segundo ela, não houve comprovação de que os valores bloqueados possuem origem ilícita.

“Deve-se presumir sua licitude”, afirmou a magistrada. A Lava Jato também admitiu “ausência de prova suficiente” de crime no recebimento dos valores pelo ex-presidente.

A magistrada autorizou a liberação de metade dos R$ 9,3 milhões que estavam bloqueados em uma conta do ex-presidente. A decisão foi dada no processo que analisa o espólio da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

De acordo com a coluna Radar, da Revista Veja, a justificativa para manter o bloqueio da integralidade dos ativos financeiros de Lula se baseava na suspeita da prática de crimes envolvendo as palestras ministradas pelo ex-presidente. “Todavia, a autoridade policial concluiu não haver indícios nesse sentido, com o que concordou o MPF. Por tais motivos, o bloqueio integral de tais valores não mais se sustenta”, escreveu Hardt. 

Siga o Recôncavo no Ar nas redes sociais e fique por dentro de todas as informações e transmissões ao vivo na nossa página oficial.

Facebook e Instagram

Metro1