Médicos recomendam reduzir brilho da tela do celular durante a noite

A equipe concluiu que é preferível reduzir o brilho da tela do que ativar a opção ‘Night Shift’.

Um estudo da Universidade de Manchester, no Reino Unido, defende que o recurso ao ‘Night Shift’, presente no iPhone e no Android, não é tão eficaz como parecia e pode até fazer mal aos olhos.

De acordo com estes investigadores, a luz azul é uma cor fria, tal como a tonalidade que o ambiente assume quando anoitece, ou seja, a equipe concluiu que é preferível reduzir o brilho da tela do que ativar a opção ‘Night Shift’ porque o nosso organismo associa as cores frias à hora de dormir e, sem a luz azul, o ‘Night Shift’ provoca a resposta orgânica do organismo mantendo o usuário acordado.

Apesar dos resultados obtidos, os investigadores salientam que é necessário investigar o assunto mais a fundo, já que os testes foram realizados em ratos, seres que não possuem um organismo idêntico ao dos humanos.

O ‘Night Shift’ é um recurso que, quando acionado, ativa um filtro de cores que passa a emitir menos luz azul à noite. Surgiu em 2016, com o iOS10, através no iPhone7, mas rapidamente passou para os aparelhos de outros fabricantes.

Com o lançamento do Galaxy S10, a Samsung também passou a ter telas com menos luz azul como padrão.

Siga o Recôncavo no Ar nas redes sociais e fique por dentro de todas as informações e transmissões ao vivo na nossa página oficial.

Facebook e Instagram

Noticias ao Minuto