Instituição que ajuda crianças carentes em Salvador luta para não fechar as portas e faz apelo por doações

A creche atende atualmente cerca de 180 crianças.

Com mais de três décadas atuando para acolher crianças carentes, a creche Béu Machado, que fica na Boca do Rio, em Salvador, luta para não fechar as portas. No local, faltam alimentos básicos, além de problemas na estrutura e acúmulo de dívida.

Criada em 1986 por Maria José da Silva Machado, conhecida como dona Neném, e pelo marido dela, Béu Machado, a creche atende atualmente cerca de 180 crianças. Atualmente, a instituição enfrenta dificuldades financeiras.

Entre os problemas, há a falta de infraestrutura do prédio, que necessita de várias reformas, contas atrasadas, além de uma dívida de R$ 3,2 mil em um mercadinho do bairro.

Originalmente quando foi criada, a instituição conseguia manter os custos por causa de campanhas e parcerias. Nessa época, além dos cuidados essenciais, as crianças tinham acesso a acompanhamento pedagógico, psicológico, assistência médica e odontológica.

As dificuldades, no entanto, começaram a surgir em 2004, depois que a creche parou de receber ajuda. Desde então, o trabalho no local é feito com muita dificuldade. Segundo Maria José, eles lutam para não deixar de alimentar as crianças.

“A situação está muito difícil. Tem dias que não tem o que comer. Às vezes a gente precisa comprar fiado”, contou a mulher.

De acordo com os funcionários do local, faltam coisas básicas como alimentos perecíveis, material de limpeza e higiene pessoal, por exemplo.

A instituição, no entanto, aceita também doação de roupas, que serão vendidas no bar beneficente, com o objetivo de arrecadar fundos para pagar as dívidas e a folha de funcionários.

Enquanto isso, diversas mães temem que o local feche as portas.

“(A instituição) abriga muitas crianças. É um excelente espaço. A gente fica muito triste sabendo que a creche pode fechar. A creche é essencial nas nossas vidas”, afirmou uma das mães.

G1