Clubes que não têm futebol feminino podem ficar de fora das competições da Conmebol; saiba mais

De acordo com os critérios, a equipe também tem que oferecer campo de jogo para treinos e jogos e suporte técnico e equipamentos do dia-a-dia.

Há quem imagine que para participar da Taça Libertadores da América, basta apenas o time conquistar a classificação necessária em uma competição ou ser o campeão. Mas de acordo com o Regulamento de Licenciamento de Clubes da Conmebol, o clube precisa cumprir todos os critérios exigidos pela entidade máxima do futebol sul-americano, para poder participar das competições promovidas por ela.

Uma das regras é a obrigatoriedade de ter um time feminino, considerado principal, ou então ser associado a alguma equipe que possua e ter, no mínimo, a categoria juvenil feminina na divisão de base, ou ser associado a outro clube que tenha. De acordo com os critérios, a equipe também tem que oferecer campo de jogo para treinos e jogos e suporte técnico e equipamentos do dia-a-dia.

O jornalista e advogado, Andrei Kampff, que tem um blog no site UOL, comentou sobre o assunto e considera que em virtude da pandemia, essa regra pode não ser levada “ao pé da letra”.

“Em função da pandemia, e da situação inimaginável, tudo será revisto, e o motivo de “força maior” ganhará protagonismo em quase todas as discussões. Acredito que esse será o caminho seguido pelos clubes e pelo próprio movimento esportivo para evitar uma punição. Mesmo assim, seria importante, antes de realizar os cortes, conversar com a CBF”, disse.

Siga o Recôncavo no Ar nas redes sociais e fique por dentro de todas as informações e transmissões ao vivo na nossa página oficial.

Facebook e Instagram

UOL Esportes/ Foto: Maurícia da Matta